Oficina Elinga, Presença Cênica – Na Faculdade de Artes Dulcina de Moraes

24
mar

Pela primeira vez em Brasília, a produção de presença (corporeidades) por meio de ações cênicas
durante o encontro com os espectadores é uma condição básica para a realização de um fenômeno cênico.

NOVO LOCAL:
FACULDADE DE ARTES DULCINA DE MORAES – CONIC

░ As práticas performativas de matriz africana na formação do ator/atriz/performers, com carga horária total de 16 horas, no II Festival de Cinema do Paranoá.

PÚBLICO ALVO

Diretores, atores, coreógrafos, atores, dançarinos, performers, estudantes de teatro.

SERVIÇO

Data: 23, 24, 25 e 26 de abril de 2018, das 13h às 17h.
Carga Horária: 16h – Com certificado emitido pela Oitava Arte Produções/Prof.: Lau Santos
Local: Faculdade de artes Dulcina de Moraes | CONIC

▒ Valor: 400,00 à vista – INTEGRAL
▒ EXCLUSIVO –  R$ 150,00 para alunos e ex-alunos da Faculdade (atendendo o pré-requisito do público alvo)
▒ BÔNUS de R$ 150,00 – parceira do II Festival de Cinema do Paranoá – PARA AS PRIMEIRAS 15 INSCRIÇÕES
Formulário de inscrição http://bit.ly/Inscricao_Elinga

Informações: [email protected] ou [email protected]
Forma de Pagamento: Boleto PagSeguro
Emita o boleto de pagamento, pelo pagseguro, clicando nesse link – Pagamento Elinga
Ou no botão abaixo


APRESENTAÇÃO

Elinga, é uma palavra proveniente do Umbundo (língua nacional Angolana), que tem como significado ação/exercício (elinga = acção, iniciativa, exercício). A produção de presença (corporeidades) por meio de ações cênicas durante o encontro com os espectadores é uma condição básica para a realização de um fenômeno cênico. As descobertas sensório-afetivas feitas pelos artistas da cena são potencializadas por meio de percepções do que é visível e do que é invisível. Diálogos corporais são regidos por códigos verbais e não verbais que se instauram durante a produção de presença do sujeito da cena em conexão com os espectadores.
Para o ator africano Sotigui Kouyaté a noção de teatro e atuação em territórios africanos, desde muitas gerações, segue uma maneira particular, bem diferente dos princípios cênicos impostos pela cultura ocidental. Nas Práticas Performativas de matriz africana o corpo é o dispositivo de fluência e expansão presencial, o texto, base da noção de teatro ocidental, quando presente é mais um elemento corporificado em forma de oralitura (cantos, contos e pequenas fábulas-itans – orikis.) Na oficina Elinga, os princípios pedagógicos teóricos e práticos são fundamentados em uma didática e consequentemente em uma estética afro-afirmativa e afro-brasileira. Estes fundamentos servem como ferramenta na construção de processos criativos para os atores/performers.

CONTEÚDO PROGRAMÁTICO

  • Desenvolvimento de processos criativos mediante a utilização de movimentos da capoeira, maculelê, candomblé e outras formas expressivas de matriz africana.
  • O corpo no espaço e o espaço do corpo. Dançar, Batucar, Cantar e Contar (Bunseki Fi-Kiau, Zeca Ligiero) Aporte teórico-prático sobre as diferenças entre religião e utilização dos códigos afro-religiosos como expressão artística.
  • O olhar é expressivo e não meditativo!
  • A ocupação do espaço e os 4 elementos (Terra, água, fogo e ar).
  • A natureza e a plasticidade da cena.
  • O canto, a contação, a dança e a performatização, como uma forma unificada nas expressões artísticas da diáspora africana.
  • A noção de corpomente (nãoexiste separação).
  • O corpo não é um instrumento do ator/performer, ele é o ator/performer!
  • O corpo negro como o lugar das irradicações de códigos ancestrais. “Corpo-arma”, “corpo-arquivo”, a lógica da sinuosidade como deflagradora do acontecimento cênico.
  • Elaboração de códigos visíveis e invisíveis durante a construção da Presença Cênica.
  • Criação e produção de material cênico (solo, duos ou cenas coletivas) para ser apresentado no fim do curso.

ELINGA PELO BRASIL

  • Festluso( Festival de Teatro Lusófono de Teresina), Universidade Federal da Bahia, na Escola de Dança.
  • Escola Angel Vianna, no Rio de Janeiro, ( NÚCLEO DE ESTUDOS CONTEMPORANEOS DO CORPO NEGRO).
  • Universidade do Estado de Santa Catarina, ( um IPÀDÉ).
  • Alguns lugares como Fortaleza e Recife através de Festivais e ou universidades transferiram para este ano.
  • ELINGA foi selecionada como Projeto de Pesquisa Pós- doutorado que acontecerá no PPGDANÇA da Escola de Dança da UNIVERSIDADE Federal da Bahia, no ano de 2018.
  • Já tem agenda, em 2018,  para ser ministrada em Fortaleza, em Recife e em Angola

░ QUEM É LAU SANTOS

DRT Artista – Ator e Diretor: Nº: 285f2l45 SC
Inscrição Profissional do Sindicato dos Artistas: 8861 (RJ)
CV completo Lattes link: http://lattes.cnpq.br/9100427803012023

Lau Santos é Doutor em Teatro pela Universidade de Santa Catarina e ministrou aulas em várias escolas no Brasil e na Europa. Diretor, Ator, Performer, Circense, Capoeirista, Cineasta e Pesquisador. Desenvolve pesquisa sobre os processos de produção de presença e as práticas performativas de matriz africana. É autor dos livros: “Um Griot e Seus Dois Orikis” e “Tela e Presença: o ator e sua imagem projetada”. Atualmente prepara duas criações que usam textos do autor afro-brasileiro Lima Barreto (Cemitério dos Vivos e Diário de um Hospício), as práticas performativas de matriz africana e as novas tecnologias. Foi diretor/fundador do NAN (Núcleo de Atores Negros) de Santa Catarina. Núcleo de pesquisa e Criação de performance com a temática afro-brasileira que funcionou 2009 até 2012. Ministrou aulas no seminário de Augusto Omolú na Funceb, na cidade de Salvador, no verão de 2013. Dirigiu e atuou em diversos espetáculos e audiovisuais que utilizam as práticas performativas de matriz africana como ferramenta de criação e formação do ator/performer.

Entre seus principais trabalhos nesta área estão: Criador e diretor do programa-piloto da Web série AGÔ – sobre ancestralidade afro-brasileira. (2016) IJO ALAPINI – Vídeo-dança com o performer negro Benjamim Abras -selecionado para vários festivais. (2014) A Flor d’Artaud – Audiovisual com temática híbrida – loucura e cultura afro-brasileira (2014) OU VA LA VAGUE –Direção Tarak Hamann. Espetáculo sobre o mito dos orixás, no Festival de Avignon, França 1987. Fez estágio com o grupo ODIN TEATRET do diretor Eugenio Barba em Holstebro no ano de 1987. Foi um dos primeiros brasileiros a visitar a sede do grupo na Dinamarca. Local em que gravou um vídeo sobre a capoeira na formação do ator. Estágio com Ariane Mnouchkine no Thêatre du Soleil no ano de 1987 na Cartoucherie, sede do grupo, em Paris. Estudou no Conservatório Nacional superior de Artes Dramáticas (CNSAD), em Paris (1986- 1987). Aonde estudou as técnicas de interpretação com máscaras desenvolvido pelo professor Mario Gonzalez. Estudou na École du Cirque Annie Fratelinni no ano 1987/1988. Estudou, praticou, fez shows e deu aulas de capoeira na Europa com o Grupo Senzala, Rio de Janeiro.

Foi condecorado com a Medalha Zumbi de Palmares na cidade de Florianópolis, Santa Catarina.

________________________________________________________________________________________________________________

SERVIÇO

Data: 23, 24, 25 e 26 de abril de 2018, das 13h às 17h.
Carga Horária: 16h – Com certificado emitido pela Oitava Arte Produções/Prof.: Lau Santos
Local: Faculdade de artes Dulcina de Moraes | CONIC

▒ Valor: 400,00 à vista – INTEGRAL
▒ EXCLUSIVO –  R$ 150,00 para alunos e ex-alunos da Faculdade (atendendo o pré-requisito do público alvo)
▒ BÔNUS de R$ 150,00 – parceira do II Festival de Cinema do Paranoá – PARA AS PRIMEIRAS 15 INSCRIÇÕES
Formulário de inscrição http://bit.ly/Inscricao_Elinga

Informações: [email protected] ou [email protected]
Forma de Pagamento: Boleto PagSeguro


Emita o boleto de pagamento, pelo pagseguro, clicando nesse link – Pagamento Elinga
Ou no botão abaixo


Solicite formulário de inscrição pelo e-mail: [email protected] ou [email protected]

________________________________________________________________________________________________________________

░ SOBRE HOSPEDAGEM – PRÓXIMO DA OFICINA

Se estiver vindo de outra cidade/estado, na cidade do Paranoá dispomos de 3 hotéis – ☆☆☆- para acomodações.
HOTEL PARANOÁ | (61) 3408-1302
Av. Paranoá, Quadra 34 Conjunto 26 Lote 03 (1,89 km) – 71570000 Brasília
HOTEL BELLA VISTA |  (61) 3408-1414
Av. Paranoá – Quadra 10, Distrito Federal 71571-020, Brasil
HOTEL E RESTAURANTE TRADIÇÃO MINEIRA | (61) 3369-8807
Av. Paranoá – Q 29 – Paranoá, Brasília – DF, 70297-400
________________________________________________________________________________________________________________

II FESTIVAL DE CINEMA DO PARANOÁ
De 23 a 29 de abril de 2018, no CEDEP – Paranoá




  • Share:

Post a comment

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *